Aborto espontâneo

Publicado por em 03/08/2016 às 14h56

Aborto espontâneo – O que é? Como compreender e superá-lo?

Um aborto espontâneo é muito comum, cerca de 2 milhões de casos são relatados todos os anos no Brasil, e na maioria das vezes não implica em problemas na saúde reprodutiva da mulher, podendo ela, após um período de resguardo tentar ser mãe novamente. No entanto, sofrer um aborto espontâneo, ainda mais quando a gravidez é algo muito desejada, não é fácil para nenhuma mulher. Uma mistura de sentimentos toma conta de sua mente – frustração, culpa, vergonha, tristeza, etc. 

Por que ocorrem os abortos espontâneos?

Por que ocorrem os abortos espontâneosNa maioria dos casos, o aborto espontâneo ocorre  por mau desenvolvimento do feto, ocasionando em hemorragias, dores abdominais, sangramentos, etc.

Há outras condições que podem levar ao aborto espontâneo. É o caso de problemas pré-existentes, como miomas, endometriose, infecções uterinas, diabetes, etc., bem como fatores como o uso de drogas, por exemplo. É importante ressaltar que o aborto espontâneo pode ocorrer sem motivos. Ele pode ocorrer ainda em mulheres saudáveis, sem que jamais tenham tido algum problema do gênero. Desta forma, mesmo que seja comum o sentimento de culpa ou a cobrança social sobre a gravidez, o aborto espontâneo deve ser encarado como um fato da vida. A cada 100 gestações, 15 acabam em aborto espontâneo.

Se o aborto espontâneo já tiver começado, não há tratamento que possa interrompê-lo. Mas é possível usar medicamentos ou procedimentos, como dilatação e curetagem, para evitar maiores complicações. Em 80% dos casos, o aborto espontâneo ocorre no primeiro trimestre da gravidez. Após o aborto, a mulher deve esperar, pelo menos, três meses para engravidar novamente. É preciso muita paciência e compreensão.

Como compreender e superar um aborto espontâneo.

É normal que a mulher sofra com um aborto espontâneo. Não se deve negligenciar um momento de dor, assim como também é importante não deixar se tornar uma dor eterna, afinal, haverá outras oportunidades de ser mãe. O primeiro passo é entender que a perda faz parte da vida e que dói mesmo perder uma gravidez - mesmo quando não esperamos ficar grávida, tudo muda quando recebemos a notícia e as expectativas são bem grandes. 

Não há tempo certo para superar a perda de uma gravidez que não se concretizou – tenha todo o tempo do mundo para superar esta perda. Se a dor é muito grande ou compromete a sua rotina há muitos meses, talvez seja hora de buscar um especialista – psicólogo, psicoterapeuta, psiquiatra, etc. Em muitos casos, há muita pressão sobre o casal, e muitas vezes a terapia pode ser a dois.

Quando uma situação de perda da gravidez acontece, as pessoas que cercam a mulher se sentem no direito de dar a sua opinião, mesmo quando não solicitada. Nem sempre fazem por mal, mas isso pode criar pressão e atrapalhar no processo de recuperação.

Tags: Aborto, Quero Engravidar, Saúde

Enviar comentário

voltar para Saúde

left tsN center fsN fwR bsd b01 c15n show|left fwR tsN b01s bdt|left show fwR normalcase tsN bdt b01s|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 c05 sbse fwB bdt|fsN fwR b01 bsd normalcase c05|b01 c05 bsd|news login uppercase fwB c05 b01 bdt|tsN fwR normalcase c15nesw b02 bdt|fwR uppercase b01 bsd|content-inner||