Células-tronco

Publicado por em 08/12/2014 às 23h26

Coleta das células-tronco embrionárias

 

Coleta das células-tronco embrionárias: o que é? Quais os benefícios desta coleta e qual a importância

Com a hora do parto se aproximando, surgem dúvidas sobre um assunto não tão divulgado: a coleta das células-tronco embrionárias. O que é exatamente isso e como funciona pensam os pais. Na verdade, o que se coleta é o sangue dentro do cordão umbilical, logo depois do nascimento do bebê, que já não precisa mais dele. O processo é indolor e não apresenta risco algum para o bebê ou a mãe. Esse sangue é muito especial pois contém as tais células-tronco.

As células-tronco são usadas para curar diversas doenças como leucemias, linfomas, osteoporose, doenças do metabolismo, entre outras. Há diversas pesquisas pelo mundo com o objetivo de aumentar essa lista. Já há esperanças para auxilio no caso do diabetes tipo 1 e esclerose múltipla, por exemplo. Quem coleta tem como objetivo congelar as células-tronco para ajudar na cura do filho caso ele tenha algum problema.

 

Banco público ou privado

Existem duas opções na hora de congelar: o banco público e o banco privado. O banco público é de graça, mas você deve doar o sangue do seu cordão umbilical sem ter prioridade sobre ele. Caso seu filho precise é necessário achar um doador compatível com a criança dentro do mesmo banco. O maior problema para os especialistas é o fato de o Brasil ser um país miscigenado, o que pode fazer com que o processo demore. Mas ainda é a melhor opção para quem gostaria de ter esse seguro e não tem condições financeiras para contratar um banco privado.

Verifique se a maternidade em que dará a luz está ligada ao sistema de um dos bancos credenciados e se está preparada para realizar a coleta. Como se trata da saúde pública existe regras rígidas: a mulher precisa ter entre 18 e 36 anos e no mínimo duas consultas de pré-natal documentadas. Também não pode ter antecedentes de doenças como anemias ou câncer. O parto deve ocorrer depois da 35ª semana de gravidez e a criança deve pesar mais do que dois quilos ao nascer. Mesmo quem não doa para o banco público pode usufruir dele caso o filho precise no futuro.

O maior problema dos bancos privados: o preço. Para contratar é preciso pagar uma taxa que gira em torno dos quatro mil reais. Além disso, há uma taxa anual de manutenção que pode chegar a mil reais dependendo do banco escolhido. A vantagem é que você guardará as suas células-tronco, compatíveis com a sua família, sem ter de aguardar um doador como no banco público. A desvantagem é que essa compatibilidade não tem garantia 100%. Estudos mostram que a compatibilidade entre irmão, por exemplo, é de 25%.

O sangue coletado pode ficar congelado por várias décadas nos bancos privados. Já foram feitos testes em sangues depois de 15 anos do congelamento e ele conservava suas características originais. Com a evolução da ciência e as muitas pesquisas que estão sendo feitas é possível que seu filho possa usar o sangue do seu cordão para se curar de várias doenças atuais, como o mal de Parkinson, por exemplo.

Tags: Bebê, Célula Tronco, Gravidez, Parto

Enviar comentário

voltar para Parto

left tsN center fsN fwR bsd b01 c15n show|left fwR tsN b01s bdt|left show fwR normalcase tsN bdt b01s|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 c05 sbse fwB bdt|fsN fwR b01 bsd normalcase c05|b01 c05 bsd|news login uppercase fwB c05 b01 bdt|tsN fwR normalcase c15nesw b02 bdt|fwR uppercase b01 bsd|content-inner||