Slow Parenting, você sabe o que é?

Publicado por em 04/05/2016 às 13h34

Que tal proporcionar a seus filhos uma criação mais saudável, sem tanta pressão e com mais qualidade do tempo que passam juntos? É o que prega o slow parenting, um movimento cada vez mais comum nos Estados Unidos e na Europa e que agora começa a fazer parte da rotina das famílias brasileiras. Veja mais sobre os benefícios do slow parenting a seguir! 

O que é o slow parenting? O que é o slow parenting? 

Vivemos em uma época em que a rotina profissional absorve todas as demais nuances da vida dos pais e fica muitas vezes em primeiro lugar. O estresse cotidiano e o excesso de responsabilidades impactam no relacionamento pais e filhos, sendo que estes estão cada vez mais privados de bons momentos juntos devido à falta de tempo. Mas não precisa ser assim: se a pressa sair do foco da rotina familiar, é possível ter mais tempo com seus filhos e participar mais efetivamente do seu desenvolvimento.  

Tudo é uma questão de prioridade e de reconhecer que o tempo perdido com o trabalho não volta mais, assim como o aproveitamento de todas as fases da criança. Considerando isso, surgiu um movimento de educação que privilegia o tempo de qualidade em que pais possam interagir e participar mais da vida das suas crianças. E para isso, basta mudar a rotina da família.  

Slow parenting significa “pais sem pressa”, uma resposta à aceleração da vida e a limitação do contato com seus filhos. Se antes pais e filhos interagiam quando sobrasse tempo, depois de uma árdua rotina diária. A criação dos pequenos passou a ter mais valor e a qualidade de experiências vividas juntos é otimizada pela falta de pressão e pela não transferência das demandas cotidianas às crianças, como acaba acontecendo em muitas famílias. 

Afinal, mesmo que os pais garantam as melhores escolas, toda a segurança possível e os melhores recursos para a sua sobrevivência e desenvolvimento, preparando-as para o futuro, isso não significa que as crianças estejam de fato bem amparadas ou se desenvolvam. O excesso de atividades acadêmicas – inglês, balé, natação, aulas particulares, etc. – também podem ser prejudiciais. 

Revisitando a infância 

Os primeiros anos da vida de seus filhos é um período marcado pelas descobertas, curiosidade, construção da personalidade e das crenças, observação dos exemplos, participação, novas interações e muitos outros eventos que não podem ser ignorados – seja pelos pais ou até mesmo pelas escolas.  

Em muitos países, o tempo de permanência de crianças na escola é restrito, apenas alguns dias da semana as escolas estão disponíveis ou o expediente atende apenas meio período, sendo que os pais devem se organizar para dar a atenção necessárias às crianças. Isso vai ao encontro do movimento slow parenting e amplia a troca de experiências entre pais e filhos.

Mandamentos do slow parenting

slow parenting hoje é um movimento mundial, que ganhou forma com a obra Sem Pressão, do jornalista britânico Carl Honoré, mas que já possui diversos estudos na comunidade acadêmica. Ele segue alguns mandamentos básicos. Confira: 

  1. Menos televisãoA proposta é fazer atividades em espaços livres e estimular novas habilidades e a criatividade. A televisão fica em segundo plano. 
  2. Escuta atenta: Saber escutar e aprender a falar de modo assertivo melhora o diálogo e a confiança. 
  3. Novas amizades: É preciso privilegiar as amizades entre as crianças, para que ela possa ter experiências fora do círculo familiar. 
  4. Menos atividades: Não é válido fazer com que as crianças cumpram uma agenda de atividades extracurriculares, refletindo a sobrecarga dos adultos. As atividades devem ser escolhidas pela qualidade e bem-estar e não pela quantidade. 
  5. Brincadeiras em primeiro lugar: Crianças que brincam mais são mais alegres, bem dispostas, aprendem melhor, encontram diferentes soluções para seus problemas, são mais afetivas e sociáveis. A brincadeira deve ser vista como um momento de aprendizagem e descontração. 
  6. Tédio criativo: O tédio pode ser uma oportunidade de relaxar e motivar a criatividade. 
  7. Ócio familiar: A família toda precisa mudar sua rotina para slow. Marquem em suas agendas tempo para brincadeiras e atividades direcionadas.

E você, o que acha do slow parentingVamos por em prática? 

Tags: Desenvolvimento, Educação e Comportamento

Enviar comentário

voltar para Educação e Comportamento

left tsN center fsN fwR bsd b01 c15n show|left fwR tsN b01s bdt|left show fwR normalcase tsN bdt b01s|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 c05 sbse fwB bdt|fsN fwR b01 bsd normalcase c05|b01 c05 bsd|news login uppercase fwB c05 b01 bdt|tsN fwR normalcase c15nesw b02 bdt|fwR uppercase b01 bsd|content-inner||