Diário de Mãe

O Dia é das Mães, mas o agradecimento é aos filhos.

Publicado por Vanessa Motta Reis em 08/05/2015 às 14h27

O Dia é das Mães, mas o agradecimento é aos filhos.

O dia é das mães, mas o agradecimento é aos filhosMãe, três letrinhas com um significado tão grande, tão nobre, tão forte! Hoje poderia falar sobre uma infinidade de coisas deliciosas e de enormes dificuldades que é ser mãe, mas quero lembrar apenas o que é ser mãe e agradecer as minhas duas filhas lindas Malu (4 anos) e Valentina (5 meses) que me deram este presente e me fizeram mãe de verdade.

Desde que descobri o “positivo” naquela canetinha com duas riscas azuis já comecei a me sentir mãe, mas nem de longe podia imaginar de verdade o que estava por vir, quantas coisas boas e ruins iria viver, mas meu coração já estava inundado de felicidade que naquele momento não me cabia no peito e transbordava pelos meus olhos.

Durante nove meses me preocupei com cada exame, mudei a alimentação, mas não adiantou muito né? Mesmos assim engordei e estiquei! Fiquei com a pele manchada, algumas vezes com as pernas inchadas, o nariz deformado, fiquei sem posição para dormir e muitas vezes dormi sentada, fiquei muitas vezes sem ar de tantos chutes que eu sentia na barriga, ouvi seu coraçãozinho bater, o “tum tum tum” mas emocionante que já ouvi e me lembro como se fosse hoje, fiz tudo isso por vocês minhas filhas, porque lá no fundo meu instinto materno falava mais alto ainda que eu não pudesse ouvir.

O dia mais feliz da minha vida foi quando vocês nasceram e eu pude ouvir o chorinho mais delicioso, tocar a pele mais delicada e ver o rostinho inchado mais lindo do mundo, naquele dia comecei a entender de verdade que eu havia me tornado mãe, pois mesmo sentindo dores ainda, esqueci que elas existiam somente para sentar e te amamentar e que delicia amamentar vocês ainda que com dificuldades no início, mas com muita paciência para aprendermos juntas. Que felicidade ver que no cantinho da sua boca escorria leite e que responsabilidade senti ao perceber que mesmo fora da barriga você dependia exclusivamente de mim para continuar se desenvolvendo.

Percebi que a maternidade nos aproxima de DEUS porque passei a agradecer todos os dias pela saúde das minhas filhas, passei a conversar com Ele em muitos momentos, pedir todas as noites sabedoria para guiar meus passos, para educar e ensinar o caminho certo para elas, mesmo sabendo que lá na frente quem vai decidir o caminho são os filhos e não as mães.

Acordei e acordo durante as madrugadas, algumas vezes para amamentar, outras para te cobrir, algumas vezes para medir sua febre, outras para brincar ou ver TV porque perdeu o sono e sei que por longos anos passarei noites acordadas esperando vocês chegarem na madrugada.

Me emocionei com suas descobertas e conquistas, me encantei com seu primeiro sorriso, te incentivei a segurar o primeiro chocalho, te ensinei a segurar na colher, te ajudei a engatinhar e dar os primeiros passos, fazia caras e bocas só para te ver me imitando, brinquei de pega-pega, esconde-esconde, de bonecas e outras tantas coisas que fizemos juntas, dei pulos de alegria quando ouvi pela primeira vez “mamãe” e confesso que chorei no seu primeiro dia de aula, só porque passaríamos algumas horinhas longe e porque sabia que ali você iniciava uma nova etapa, mas que era fundamental e importante. Quantas saudades eu sentirei!

Fiz novas amizades, conheci novas mães, passei a dar mais valor à minha mãe, mas aprendi com vocês minhas filhas a amar, aprendi o valor de um sentimento tão puro, aprendi a ser mãe. Meu muito obrigada a vocês por me permitir cada segundinho desta nova vida de mãe. Obrigada por me fazerem Mãe. 

Vanessa Motta Reis

Categoria: Maternidade
Comentários (0) e Compartilhar

A descoberta, amo ser mãe!

Publicado por Vanessa Motta Reis em 03/05/2015 às 14h26

Numa bela manhã você acorda ainda mais cansada do que a hora em que foi dormir, com muito esforço levanta da cama e vai tomar um banho, afinal só um bom banho pra despertar! Hora de escovar os dentes e neste momento parece que até o gosto da pasta muda, mas o que vem a cabeça é que o cansaço anda fazendo coisas com você! Bom hora do café da manhã, você senta olha pro leite, pro pão, pra margarina e mais uma vez o “cansaço” te embrulha o estomago, então você desiste e parte para as atividades do dia.

Hora do almoço e nada de fome, estomago embrulhado e ai você pensa que foi alguma coisa que comeu no dia anterior, mas precisa encarar, não pode ficar sem comer. No meio da tarde um sono incontrolável como nunca sentiu antes, foi só ai que caiu a minha ficha, ops... tem alguma coisa errada! Será?

Primeiro o teste de farmácia, depois o exame de sangue e finalmente o médico: “você está grávida”! Logo em seguida um turbilhão de sentimentos, a felicidade, o medo, a alegria, a insegurança, o AMOR! E uma única certeza, tudo começa a mudar, o corpo, as vontades, as responsabilidades, a VIDA!

Durante nove meses o corpo se transforma, geramos, cuidamos, preparamos todos os detalhes para a chegada de um amor inexplicável, um amor sem tamanho, sem medidas.

Tudo pronto e chega o dia, a hora de conhecer um ser tão pequenininho mas que a um tempo já vem mudando a vida de todos a sua volta, o momento de ouvir o chorinho mais delicioso do mundo, de sentir um cheirinho gostoso, de tocar a pele macia e delicada, de ter em seus braços um pedacinho de você, um FILHO.

Neste dia virei MÃE, descobri que sou capaz de coisas antes jamais imaginadas, que tenho muito mais medo agora do que antes, mudei a forma de pensar e de julgar, que só tem importância as coisas importantes de fato, minhas prioridades mudaram.

Aprendi a amamentar, o que confesso, não é tão simples assim. Aprendi a dar banho, a ficar noites em claro, comecei a entender o choro da cólica, o incomodo do refluxo, trocar fraldas com duas perninhas pedalando, aprendi a “CUIDAR, ENSINAR, EDUCAR”.

Troquei horas no salão de beleza por tardes brincando na sala, troquei shoppings por parques, troquei restaurantes de finais de semana por um dia inteirinho de piscina infantil, jantares com amigos por uma sessão cineminha em casa mesmo, aprendi a fazer escolhas e se tem uma da qual não me arrependo foi de ter tido duas filhas lindas e uma companheiro maravilhoso nesta minha vida de MÃE.

Amo ser mãe! E as duas melhores descobertas pra mim foi em primeiro lugar descobrir que estava grávida e depois descobrir que ser mãe é a melhor coisa do mundo.

PS Demorei quase dois meses para descobrir a gravidez da Malu (primeira filha) e duas semanas da Valentina (segunda filha), mas os sintomas foram os mesmos nas duas gestações, a felicidade foi a mesma, agora o medo foi dobrado, afinal cuidar de duas é uma responsabilidade e tanto!

Vanessa Motta Reis

 

Categoria: Maternidade
Comentários (0) e Compartilhar

Porque as mães competem tanto entre si?

Publicado por Vanessa Motta Reis em 07/04/2015 às 14h43

Porque as mães competem tanto entre si?Porque as mães competem tanto entre si? E para quê? É cada uma que a gente ouve neste mundo da maternidade que as vezes me pergunto “porque”? Isso mesmo!

Mãe X Mãe

Outro dia amamentando a Valentina em um destes fraldários que os shoppings oferecem me chamou a atenção quando duas mães conversavam sobre os filhos e conversa vai conversa vem, sempre muito educadas mas parecendo uma disputa para saber qual filho fazia mais coisa do que o outro. Quando somos mãe de primeira viagem a maternidade parece ser um mundo desconhecido, mas que com o tempo vamos adquirindo prática e fazendo as escolhas que acreditamos que serão as melhores para nosso filho e família.

Já parou pra pensar em como bebês e crianças são cobradas simplesmente por fazer ou querer algo que é da sua natureza e faz parte do seu desenvolvimento? É muita expectativa em cima de um ser tão pequenininho.

O bebê não pode chorar, não pode mimar, não pode querer colo, não pode chupar chupeta, não pode, não pode, não pode... nada pode? E ainda por cima tem que comer toda papinha, tomar todo suco e dormir à noite inteirinha! Isso mesmo, por que?

E não para por ai, criança tem que andar, falar, brincar, desenhar, agradecer, obedecer, compreender, avaliar, ufa!! Não pode correr, não pode pular, não pode gritar, não pode sujar, não pode, não pode, não pode... não pode nada e tem que fazer tudo?

Porque tanta cobrança se nós adultos, choramos, adoramos ter a atenção das pessoas, principalmente daquelas que amamos, de vez em quando queremos um colo ou um ombro amigo, muitas vezes também não comemos ou bebemos tudo e certamente já perdemos o sono no meio da noite e não conseguimos dormir mais. Porque tanta cobrança se nós adultos muitas vezes gritamos e nem sempre compreendemos ou agradecemos?

Cada criança tem seu próprio ritmo e suas habilidades, desde pequeno adquirem vontades próprias. Deixe a criança crescer e se desenvolver no seu tempo, não importa que o filho do vizinho não chora, o seu chora e pronto, ou que a filha da amiga já fala e seu está começando a falar não tem nada de errado nisto.

Essas cobranças só acontecem porque ficamos comparando nossos filhos, competindo, tentando mostrar aquilo que o seu faz e o da outra não. Uma competição sem sentido.

O que é bom para mim talvez não seja para o filho do vizinho, por mais que eu tente fazer o melhor e acho que o melhor está correto não tenho o direito de querer que outras mães façam igual, cada família tem seu costume, sua criação e suas crenças, acho muito válido relatar uma experiência que deu certo, plantar uma ideia de mudança, mas sem ofender, humilhar ou dizer de forma arrogante.

Cada vez mais tenho visto em redes sociais mães se desrespeitando porque não concorda com a outra, por favor mamães a maternidade não é um mundo competitivo, afinal no fundo no fundo só queremos o melhor para nossos filhos do nosso jeito.

Devemos sim ensinar, respeitar, orientar, mas por favor, deixe seu filho crescer no tempo dele para depois não ficar ai chorando de saudades!

 

 

Categoria: Maternidade
Comentários (0) e Compartilhar

Incentivando a leitura desde cedo

Publicado por Vanessa Motta Reis em 25/03/2015 às 21h26

Incentivando a leitura desde cedoSabemos que a leitura traz diversos benefícios a criança como ajudar a estimular a fala, a ampliação do vocabulário, um melhor desempenho escolar, a criança que lê escreve melhor e tem mais senso crítico, por isso é importante que a leitura esteja presente na vida da criança desde os primeiros meses de vida.

Mas como incentivar as criança a leitura já que estamos vivendo num momento onde os brinquedos cada vez mais tem recursos tecnológicos que ganham a atenção das crianças em questão de segundos?

De fato não é uma tarefa fácil, mas podemos interagir com nossos filhos tornando o momento da leitura uma atividade divertida para que a criança tenha prazer em ler, aqui em casa a Malu começou cedo com livrinhos, ela tinha apenas seis meses, apesar de eu não ser nenhuma devoradora de livros sempre incentivei.

No começo o livro era usado como brinquedo, por exemplo, no banho sempre tinha um livro, e no meio dos brinquedos também, eram livros só de figuras grandes e coloridas que chamavam a atenção, não tinham historinhas, essa é uma fase em que os livros ajudam a estimular a fala sempre mostrávamos a figura e falávamos devagar o nome do bicho para ela, é importante pronunciar os nomes das figuras ou bichos sempre corretamente e devagar e sem forçar a criança, nesta fase a criança está conhecendo tudo ao seu redor e presta atenção, mas não se iluda ela não vai sentar e passar muito tempo nesta atividade, mesmo assim deixe o livro sempre por perto, no meio do seu convívio com os brinquedos.

Com mais ou menos um ano e meio, quando a Malu começou a falar algumas palavrinhas e já entender algumas coisas, começamos a ler com ela a noite antes de dormir, como o papai passava o dia todo no trabalho a noite era ele quem fazia a leitura, Malu adorava esta atenção do pai talvez por ter um tempo só dela com ele. Antes que eu me esqueça era sempre o mesmo livro, a mesma historinha!

Hoje a Malu está com quatro anos e gosta muito de livros, está começando a aprender as letrinhas e os números na escola, ela fica toda feliz quando reconhece um letrinha no livro principalmente se for a letrinha “M” e mãe sabe como é né, fica toda boba!! Espero que este interesse por livros continue para sempre.

Vou deixar aqui algumas dicas do que já fizemos (mamãe e papai) com Malu para incentivar os livros e a leitura aqui em casa, vamos lá?

Como incentivar a leitura das crianças

  1. Uma dica muito bacana é fazer atividades com seu filho que possa estar relacionada com um livro, uma leitura sobre animais fica ainda mais interessante depois que a criança teve a oportunidade de visitar o zoológico e ver de perto os bichos, fizemos isto e foi ótimo.
  2. Se a criança estiver em fase de alfabetização, misture a leitura com uma brincadeira, leia junto com ela e depois peça para ilustrar o livro ou ainda você pode ler e pedir que a criança faça representações da história lida.
  3. Leve seu filho a uma livraria, escolha um livro juntos e aproveitem para ler no local, deixe ele curtir o ambiente e ver que a leitura está presente no dia a dia de muitas pessoas.Algumas livrarias, inclusive, têm espaços para leitura (sem que os livros precisem ser comprados!).
  4. Apresente uma biblioteca para o seu filho. Hoje, nas grandes cidades, muitas livrarias e bibliotecas públicas oferecem atividades específicas para as crianças. E esse programa ainda é de graça.
  5. Em casa guarde os livros num local de fácil acesso para a criança, assim sempre que quiser ela se sentirá a vontade para pegá-lo.
  6. Lembre-se a leitura deve ser uma escolha e não uma obrigação, a criança precisa sentir prazer, portanto deixe-a escolher o livro que ela quer ler, respeite esta escolha, mesmo quando você gostaria que o livro fosse outro.

A leitura estimula a imaginação da criança e como elas tem imaginação de sobra aproveite para participar deste mundo delicioso da imaginação com seu filhos. Incentive! Estimule!

Mamãe
Vaness Motta Reis

Categoria: Filhos
Comentários (2) e Compartilhar

left tsN center fsN fwR bsd b01 c15n show|left fwR tsN b01s bdt|left show fwR normalcase tsN bdt b01s|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 c05 sbse fwB bdt|fsN fwR b01 bsd normalcase c05|b01 c05 bsd|news login uppercase fwB c05 b01 bdt|tsN fwR normalcase c15nesw b02 bdt|fwR uppercase b01 bsd|content-inner||